terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Retrô'

  OMG! O ano praticamente acabou! Agora vale fazer uma retrô aqui pro blog, pra vocês saberem o porque de o ano de 2010 ter sido tão especial. (:


  Hum... começando pelo ano novo, eu imagino. Eu passei o ano novo na casa da minha tia (que tinha acabado de ser reformada e tava toda linda e chic!) e estava com uma energiaqcontagia ótima, já que a gente tinha reunido os parentes mais próximos e até a Belinha linda estava lá com a gente. Da mesma forma que veio, o ano novo passou pra mim. Bem rápido, sabe? Mas Janeiro passou bem devagar... meus amigos estavam todos viajando e eu estava morrendo de tédio em casa. Até que... a Gabi me chamou pra ir pra praia com ela! E como foi especial eu ter ido com ela pra lá. Foi como se aquela viagem tivesse me dado toda a força e a calma que eu precisaria para poder passar esse ano. Foi uma pena eu ter pegado aquela virose idiota e ter tido que voltar antes do tempo.
  Passou a viagem, uns dias depois começaram as aulas. E ai as coisas começaram a desandar. Pra começar, eu a Gabi e a Gi acabamos ficando separadas por causa das nossas opções de curso. Resumindo: eu meio que tinha ficado sozinha na sala de aula. Eu mal conhecia o pessoal, sabe? Não demorou muitos dias, eu conheci a Miki, que foi uma pessoa muito especial pra mim durante esse ano todo, uma pessoa que cuidou de mim, que me levou pra rolês super engraçados e que, acima de tudo, sempre me animou.
  Como se não fosse suficiente estar sozinha na sala, várias outras coisas chatas começaram a acontecer. Termino de namoro, brigas com o pessoal da escola, confusões, saída do Cabelo da escola(é, o Cabelo saiu ;-;)... Mas no final, eu encontrei mais outros alguéns que me ajudariam sempre que eu precisasse, o Rike e o Ferrari. E como esses dois cuidaram de mim nesse ano todo.
  Acho que as partes mais tristes do ano todo foram no primeiro semestre. Eu brigava com o Rike toda hora e pra ajudar, eu tinha me distanciado da Karina, alguém que eu sempre gostei muito e sempre disse que ia estar perto pra tudo. E o motivo da minha briga com ela foram mais idiotas ainda: atenção. Nós duas estavamos em épocas que precisavamos uma cuidar da outra e nenhuma estava com força pra poder fazer isso. Ela foi uma das pessoas que eu senti mais falta no ano, mas também foi a que me abraçou e me perdou e que disse que me entendia. As brigas com o Rike Chato são outra história. Sabe aquela história de signos? Aquela que diz que piscianos e escorpianos ficam sempre brigando? HAHA, naquela época parecia que a gente só queria provar isso.
  Depois nas férias, eu conheci o Leo, que também foi um grande amigo que eu ajudei e gostei bastante e acabei me afastando sem ter ótimos motivos. ¬¬ E depois nas férias, as coisas ficaram mais fáceis. Eu já tinha entendido e crescido o suficiente pra ver até onde eu deveria tomar as dores por alguém, até onde eu devia me importar e até onde eu devia correr atrás das pessoas. E o melhor ainda, eu cosegui passar isso pra algumas pessoas.
  Agosto veio e na hora de ir, levou setembro, outubro e novembro correndo com ele. Quando eu notei já era o meu aniversário, poxa! Ahhh, o dia do meu aniversário. Foi tão especial. Aquele monte de gente vindo me abraçar, os presentes, chocolates, cartinhas... tinha sido tão especial. E a festa não ficou pra trás. Foi superanimada com um monte de gente e presentes legais.
  E de repente, já era a formatura do meu tio, que foi bem legal também. E num piscar de olhos chegou o Natal, que eu não sei bem o porque mais foi especial esse ano. E agora estamos aqui, a poucos dias do ano novo esperando um ano melhor.
  Então eu agradeço a todos que acompanharam esse blog, que leram as coisas que eu e os meus amiguinhos fofos escreveram. Espero que vocês tenham um feliz ano novo e desejo muita sorte pra vocês e pra todo mundo aqui do blog. A todos vocês, muito obrigada.
Beatriz Hirata

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

E como você consegue Chorar Sorrindo ?



Uma garota vê um garoto sentado na praça , olhando pro ceu, com o rosto levemente sorridente, porem com os olhos cheios de lagrimas.Curiosa, essa por sua se senta ao lado dele e pergunta:

_ Oi ! Desculpa o encomodo , mas como você consegue ?

O garoto confuso pela aparição inesperada da garota, a olha timido e responde :

_ Consigo o que ? ; foi respondido junto com um leve sorriso
_Digo ... como você consegue chorar sorrindo, nada faz sentido! ambos os sentimentos são muito distintos.

Ao ouvir a pergunta da garota curiosa, o menino levanta, arruma o cabelo com a mão, enxuga a lágrima que corria por seu rosto e começa a dizer calmamente:

_Eu aprendi que chorar e sorrir ao mesmo tempo é possível, não estou dizendo que sou diferente ou melhor do que alguém , apenas aprendi uma lição muito importante na minha vida : “ algumas pessoas que estão sofrendo muito, não podem se entregar diretamente as lagrimas e aos problemas, e sim não desistir de viver e encarar as barreiras como uma forma de aprendizado... A cada tristeza que aparece em minha vida, não posso esquecer que aprender é o mais importante, e sorrindo , agradeço por tudo o que me acontece, mesmo que seja difícil, sorrirei pois mesmo na dificuldade, retiro um aprendizado bom para minha vida .

O rosto da garota se transforma, e fica paralizado olhando aquele garoto indo embora, saindo de seu campo de visão.


Ao se recuperar , a garota se levantar, olha para o banco onde o jovem estava sentado e nota que ele esqueceu um pedacinho de papel dobrado em algumas partes. Curiosa a garota pega o pequeno pedaço de papel, abre , e encontra a seguinte mensagem

"Nunca ore por cargas mais leves, e sim , por ombros mais fortes..."

Com os olhos cheios de lagrimas, a garota fecha o papel, o coloca no bolso e sai correndo em direção ao garoto que chorava sorrindo...

em breve , mais textos
Atenciosamente
Rike B ~

{PS : eu sei eu sei, a foto não é numa praça como diz na história , mais é a unica foto que eu achei realmente boa pra colocar no post hahá . Se tiverem sugestões de foto, espero por sugestões no msn ! henrique_link@hotmail.com }

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Without you ... ?



... you always smile but in your eyes your sorrow showsyes it shows , yes it shows ...



- Enfim ! Fui promovido no blog !*0* ! Agora sou administrador
Jurei solenemente que iria ajudar sempre que possivel, a melhorar o blog, entõoom ;~
Postarei em breve um texto meu , que me inspirei nessa musica acima , espero que gostem
Qualquer duvida ou sugestão, estou aceitando , [ Henrique_link@hotmail.com ]

Por enquanto é só !
Rike B. ~

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Garotos não admitem que sentem saudade.

  Não importa quantas vezes que você espere que um garoto diga que sente sua falta, ele nunca diz. Ele faz de tudo pra que você diga que sinta a falta dele pra ele dizer o insuportável "eu também". Seja ele dizendo que você não fala mais com ele ou ele simplesmente não dizendo nada, você sempre acaba falando aquele "Ahh, eu estava com saudades", estou errada?
  Mas a realidade é que poucas, muito poucas vezes você vai ouvir um garoto dizendo que sente a sua falta, seja ele quem for. Pode ser seu amigo, seu namorado, seu primo que você não vê a tempos ou o amigo que você considera o seu irmão... não importa, eles nunca vão dizer que sentem a sua falta. E pra mim não importa se você vai me dizer "estou com saudades", "sinto sua falta" ou "quero te ver", desde que eu ache que isso representa algo pra você.
  Você não precisa ligar todos os dias ou mandar mensagem toda hora, não precisa correr pra falar  no msn ou ficar twittando por horas e horas... com outras palavras você, se usadas com boa intenção e bem sabiamente, fará pessoa muito feliz.
  Garotos, não tenham medo de dizer que sentem a nossa falta. Porque as vezes é exatamente isso o que a gente quer ouvir. (:
Beatriz Hirata
PS: Eu tava super revoltz quando eu escrevi isso. :X

domingo, 5 de dezembro de 2010

Sentimento Real e Irreal




É como querer e não poder ter...
Te amar se tornou tão simples, mas tê-la parece tão complexo
É tão difícil viver um amor irreal, mais continua tão simples dizê-la “Eu Te Amo”
Mesmo não sendo um amor real , mesmo tendo toda essa distancia entre nós

Quando digo “Real”
considero no sentido de poder tocá-la , de poder beijá-la
E quando digo “Irreal”
Considero que é uma coisa que não esta no meu dia a dia, que não é física.
Então porque mesmo tão irreal, me faz tanta falta?
Como consegue ser tão Real, ao ponto de me iludir ao falar com ela?

Me iludir ao falar com ela , me sentir realmente perto dela ...
Em questão de segundos, me aproximo e me esqueço de tudo, vira real.
Em outra fração de segundo, já me afastei, já se tornou irreal.

O que sentir?
O que pensar ?
Fica difícil, fica no paralelo
No paralelo da minha mente...
No meu “Real e Irreal”


By Rike .B ~

Inspirado em Carlos Drummond de Andrade / “Quero”
"Musica do Dia - Have you ever seen the rain ? "

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Poema do dia : "Quero"


Quero que todos os dias do ano
todos os dias da vida
de meia em meia hora
de 5 em 5 minutos
me digas: Eu te amo.

Ouvindo-te dizer: Eu te amo,
creio, no momento, que sou amado,
No momento anterior e no seguinte,
como sabê-lo?

Quero que me repitas até à exaustão
que me amas que me amas que me amas.
Do contrário evapora-se a amação
pois ao dizer: Eu te amo,
desmentes
apagas
teu amor por mim.

Exijo de ti o perene comunicado.
Não exijo senão isto,
isto sempre, isto cada vez mais.

Quero ser amado por e em tua palavra
nem sei de outra maneira a não ser esta
de reconhecer o dom amoroso.

Carlos Drummond de Andrade, in 'As Impurezas do Branco'

Espero que gostem , foi a inspiração do texto que logo postarei
Rike B ~

De volta a ativa ~

Hey! Depois de tempos sumidos, decidi aparecer ! Hahá !
Minha rotina tava corrida demais (mentira ainda tá, maas tudo bem!)
Logo menos texto fresquinho pra vocês
Beijos/Abraços
Rike B. ~

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Gente nova por aqui!

Galera, eu sei que eu não tenho atulizado muito isso daqui, mas é porque eu estava naquela CHATA época de provas e pra ajudar, o Rike e  Miki também estavam sem ideias e tempo pra postar. Admito que as minhas idéias estão dando voltas por ai e estão voltando agora.
Uma amiga especial (e bota especial nisso) pediu pra eu deixar ela escrever uma coluna semanal no blog! Espero que vocês gostem muito dela. É a amiga que eu dediquei o post abaixo ;9
Enfim, mais tarde eu volto aqui! E admito que eu estou com um  projeto de post bem legal pra vocês!
Muitos beijos pra vocês :*
Beatriz Hirata

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Yep. I miss you. ♥

  É loucura, mas essa é a foto mais atual que nós duas temos-a de um ano atrás. E você não sabe o quanto eu senti a sua falta durante esse ano todo. O quanto eu queria que você estudasse no São Judas, para que eu pudesse conversar com você todos os dias. O quanto eu queria que você fosse minha vizinha, pra eu ir na sua casa e ficar jogando papo fora o dia todo. Ou o quanto eu queria poder fazer um curso com você, só pra saber que eu iria te encontrar algum dia da semana.
  Mas mesmo com todos esses meus "pequenos" desejos, eu sobrevivi esse ano longe de você. Apenas não me pergunte como, porque essa resposta também me é desconhecida. Mas todos os dias, eu acordava sentindo a sua falta. Todos os dias eu tinha algo pra te contar. Mas esse ano foi bem corrido e a gente ainda teve um pequeno desentendimento no meio dele, por isso, quase nunca a gente se falava.
  Mas, mesmo com todos os acontecimentos, a gente continuou arrumando tempo pra se falar. Seja dois minutinhos falando uma notícia rápida pelo telefone ou uma mensagem, pra desabafar e lembrar você que eu nunca te esqueço. Porque isso sim é amizade. Acho que você é a minha prova de que, para ter uma amiga, não é necessário vê-la todo dia ou frequentemente. Você é a minha prova de que, para se manter uma amizade é preciso, antes de mais nada, a vontade de mantê-la!
  Teve uma coisa que eu senti muita falta durante esse ano... O seu abraço. Aquele abraço quente e apertado que eu sempre ganhava quando eu estava muito feliz... ou muito triste. O abraço que me acalma no meio de tudo, o abraço que me faz falar o que eu não queria te contar pra não te preocupar, o abraço de quem eu sei que cuida de mim e que só quer uma coisa: me ver feliz.
  Mas eu não te culpo por não ter ganhado esse abraço. E não me culpo também. Acho que a culpa é de nós duas, porque ambas nos afastamos ao invés de sentar e resolver os nossos pequenos probleminhas, se é que assim eu posso chamá-los.
  E na verdade, eu escrevi tudo isso, só pra te dizer que eu nunca te esqueci e que nunca vou esquecer. E que eu torço pra que você queira estar sempre comigo, porque eu sempre vou querer estar com você. E se um dia você decidir partir, saiba que você deixou uma marca muito grande na minha vida. E saiba, acima de tudo, que eu nunca quis outra coisa... eu sempre quis te ver feliz. Não importa o jeito, se você estiver feliz, eu ficarei feliz. Porque afinal, gêmeas são para isso e para dizer milhares de vezes isso: eu te amo! ♥
Beatriz Hirata


PS: Ahh era pra eu ter ido na casa dela hoje, mas eu passei mal ontem e tenho que ficar em casa. ;-;
Desculpa mesmo gê! Eu JURO que a gente se vê antes do natal u.ú
Te amo de montão. ♥

domingo, 21 de novembro de 2010

Caminhos.

  
Decisões são como grandes caminhos.
Caminhos que você não pode se arrepender.
Caminhos que você não sabe o que pode acontecer.
Caminhos que você pode sofrer agora ou depois.
Caminhos que podem te fazer sorrir.
Caminhos que podem te fazer chorar.
Caminhos que mudam todo um dia.
Caminhos que mudam toda uma vida.
Caminhos em que você não encontrará mais caminhos.
Caminhos que serão cheios de pegadinhas.
Caminhos lindos, iluminados.
Caminhos escuros, perigosos.
Caminhos que mudam a sua vida.
Caminhos que mudam a vida do outro.
Caminhos que você não pode escolher sozinha.
Caminhos em que você não se suporta mais ver dividida.
Caminhos difíceis, onde você não para de olhar pra trás.
Caminhos que te deixam tristes e que você não quer viver mais.
Mas são caminhos que te ensinam coisas preciosas.
Ou que te tiram coisas preciosas.
Caminhos que você arrisca algo pra entrar.
Caminhos que você arrisca algo pra sair.
Mas mesmo assim, são os caminhos.
Aqueles caminhos que formam a sua vida.
E aqueles caminhos que nunca vão sair de sua história.

Beatriz Hirata

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Niver!

Ok, Isso não é um texto.
É apenas um agradecimento as pessoas que fizeram o meu dia ser mais feliz do que poderia ser! Gente que contou pra TODO MUNDO que hoje era meu niver e gente que cantou parabens pra mim enquanto me abraçava!
OBG: Mommy, Pappy, Bu, Yumie, Belinha, Ferrari, Rike, Giu Fazio, Paula, Meninas do 1exatas/médio, Vitico, Ciba, Miki, Yoko, Py, Lê, Gê, Leandra, e por ai vai.
Amo TODOS vocês <3

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

U R...


I don't want this moment to ever end
Where everything's nothing without you
I'll wait here forever just to, to see you smile
'Cause it's true: I am nothing without you!

Todo dia você aprende alguma coisa.

Você aprende a ter mais paciência. Aprende a explodir menos; E se explodir, aprende a ser com menos intensidade. Aprende mais coisas de uma pessoa, sejam elas boas ou ruins. Aprende que às vezes não temos mais 5 minutinhos na cama. Aprende uma palavra nova. Aprende a fazer algo novo. Aprende a tomar mais cuidado. Aprende a atacar no perigo e na hora certa. Aprende a ser mais carinhosa. Aprende que se é preciso ler um texto várias vezes, para retirar o máximo de informações dele. Aprende a assistir as aulas de uma forma diferente. Aprende a lidar com os seus defeitos e fazer as suas qualidades brilharem. Aprende a dar OI para aquela pessoa que você nunca falou, apenas para puxar assunto. Aprende a ajudar alguém. Aprende que não se deve olhar o mundo da mesma forma que o mundo olha você, que não se deve julgar as pessoas, pelo fato de elas te julgarem. Aprende a olhar pro mundo e se ver mais do que vê. Aprende que sentimentos não podem ser descritos com palavras. Aprende que se deve viver o dia por ele mesmo e que se deve viver à longa distância. Aprende que sonhos se realizam se você acreditar e que ninguém tira eles de você. Aprende que as coisas que você quer que saiam do seu jeito devem ser feitas por você mesmo. Aprende que se deve acreditar nos amigos e não nos boatos que rolam sobre eles. Aprende que boatos não devem ser feitos, muito menos repassados. Aprende que não se deve se meter nos problemas dos outros ou eles sobram para você. Mas acima de tudo, você aprende que não pode se cansar de aprender.
Beatriz Hirata

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Você, seu/nosso/meu espaço. (:

  Um dia você bateu na minha porta e eu deixei você entrar. Mas o espaço era apertado, não era? Com o tempo, você foi conseguindo expulsar os outros e fazer com que você tivesse um espação.
  De repente, PUF, você não estava mais presente, mas estava lá dentro. Com um tempinho, os outros que você tinha expulsado voltaram e/ou derem espaço para pessoas novas entrarem. Mas o espaço não era o mesmo sem você. E eu sentia a sua falta lá dentro.
  Então eu mesma expulsei os que não faziam falta e os que eu não queria que entrassem, fechei o espaço e coloquei uma plaquinha "esperando que volte".
  E eu esperei e espero. Mas agora você só vem me fazer visitas, não mora mais aqui. E nem me avisa se você as vezes recebe as minhas visitas ou se eu moro lá em você.
  Mas eu continuo esperando você. E vou esperar. Até o dia em que você retirar a sua plaquinha e passar o seu espaço para outro. Ou até o dia que, cansada de esperar, eu retire a plaquinha e não atenda quando você bater. Mas eu quero que você volte.
Eu amo você. <3

Beatriz Hirata

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

As vezes pensamos que devemos que lutar pela liberdade...
Quando na verdade apenas temos que abrir mão de algumas coisas para obtê-la.
Coisas que temos e sabemos que podemos viver sem.
Coisas que não temos mas não precisamos.
Mas no fim, só precisamos de uma coisa.
A deliciosa sensação de liberdade.

AHHH

Acabaram as provas... ÊÊÊ (:
Então eu vou postar algo aqui... ou não. HAHHA <3

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Provas.

Aii gente, eu to em semana de provas, nem dá pra postar. E eu tenho três malditos trabalhos pra entregar semana que vem ;-;
Anyway, quando der eu venho e posto algo. <3

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

I miss you, dear Dance.

Depois de um ano e meio afastada da minha querida dança, eu não aguento mais ficar longe dela. Não vejo a hora de encontrar um local e ter um tempinho pra fazer uma das coisas que eu mais gosto. Não entendo as pessoas que não gostam de dançar, porque é tão relaxante, é tão bom... Confesso que os dias que eu estava com raiva e eu ia pro ballet, eu ADORAVA quando a professora passava séries de barra com os exercícios que eu tinha mais dificuldade de fazer. Confesso que eu quero MUITO voltar a fazer e estou aceitando até fazer street dance. Ok, isso foi exagero. Mas eu queria sim voltar pro ballet. Usar ponta e passar os dias tentando melhorar foundues e plies. Mas acima de tudo, é a sensação de liberdade que eu sinto na falta. O jeito que eu me sentia mais livre na ponta, como eu adorava os exercícios e como eu me dedicava. Sinto falta disso.
I miss you, dear Dance.

Beatriz Hirata

domingo, 10 de outubro de 2010

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Fading Away ...


... You're not here ... You left me alone ... and caried with you , My Heart.



Rike B.
~
~Nova Tag do Blog : Curtas, espero que gostem



Em breve , textos de verdade

/sem inspiração pra escrever.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Pra toda eternidade






Era dia 25 de agosto. Marcos e Gabriela estavam completando o segundo mês de namoro. Marcos estava indo encontrar sua namorada, levando consigo um grande e lindo buquê de rosas. Mas quando Marcos estava atravessando a última rua para chegar a ela, já estavam até se vendo. E foi aí que Marcos foi atropelado por um carro. Quando se deu conta já estava estirado no chão, sem nem mesmo saber ao certo como foi parar ali. Gabriela correu até Marcos, gritando socorro e chorando, totalmente desesperada. E Marcos apenas olhava para ela, passando a mão em seu rosto sem demonstrar nenhuma expressão, até que desmaiou. Uma equipe de médicos corria com Marcos em uma maca por um dos corredores do hospital, e Gabriela teve que ficar esperando, aflita, sem conseguir parar de chorar. Os pais de Marcos chegaram ao hospital, e foram falar com Gabriela. Ela explicou à eles tudo o que aconteceu, e a mãe de Marcos se pôs à chorar enquanto seu marido a abraçava, consolando-a. Todos estavam aflitos na sala de espera, e então finalmente chegou um médico para conversar com eles sobre o estado de Marcos. Ele fez uma expressão de preocupação, tirou os óculos, e disse que Marcos se encontrava em estado grave. Ele ainda estava inconciente, e o médico também disse que ele poderia morrer a qualquer momento, e mesmo que ele sobrevivesse provavelmente iriam ficar sequelas. Nisso os pais de Marcos começaram a chorar desesperadamente e Gabriela saiu correndo do hospital. Gabriela chegou em casa, correu para seu quarto e bateu a porta. Sem nem mesmo falar nada com seus pais. Apenas caiu na cama, junto com um travesseiro ao seu rosto, chorando como nunca antes em sua vida. Ela não conseguia acreditar que o seu grande amor estava naquele estado, ela não conseguia acreditar que a qualquer instante ele poderia morrer. E também ela que tinha escolhido aquele lugar para eles se encontrarem, se não fosse por isso Marcos não estaria a ponto de morrer agora. Pensando nisso um sentimento de culpa toma Gabriela e ela chora ainda mais, até adormecer.Amanhece, e Gabriela acorda, mas sem a menos vontade de sair da cama, quer dizer, sem vontade de nem ter acordado. Ela não queria acordar novamente sabendo que Marcos estava daquele jeito. Então Gabriela levantou da cama e saiu correndo de casa, nem tomou o café da manhã, apenas saiu pela porta rumo ao hospital. Gabriela foi andando lentamente pela calçada, pensando em Marcos, em tudo que tinha acontecido, e que ela não podia deixar que ele se fosse daquele jeito. Ela precisava dele, precisava dele para sempre. Assim, Gabriela com lágrimas escorrendo por seu rosto, saiu em disparada ao hospital. Chegando lá, perguntou qual era o quarto de Marcos à recepcionista e foi direto até lá. Abriu a porta e viu Marcos na cama, inconsciente, cheio de curativos e gessos espalhados pelo corpo e com fios dos aparelhos em seu peito, junto há uma máscara para ele poder respirar. Gabriela se aproximou lentamente, segurou firme com as duas mãos a beirada de metal que investia a cama, e olhou fixamente para Marcos. Seus lábios estavam trêmulos, e de repente se viam lágrimas escorrendo por todo seu rosto. Gabriela não conseguia se controlar, não conseguia seus sentimentos, não conseguia controlar nada em momento algum.Gabriela então se dirigiu a uma poltrona ao lado da cama, e sentou-se. Ela buscou lentamente uma das mãos de Marcos pela cama, e então a segurou suavemente, mas com firmeza, por que ela não queria solta-lo nunca. Ela o queria junto dela para sempre, para toda eternidade. E no instante que ela tocou sua mão, ela não somente teve certeza que queria, mas sim, a certeza de que ela precisava dele para sempre. E ela faria qualquer coisa para ter Marcos novamente, faria qualquer coisa para vê-lo bem mais uma vez, nem que fosse por apenas mais um dia. Ela daria sua própria vida pelo bem estar de Marcos. Sentada na poltrona, segurando a mão de Marcos, Gabriela adormeceu, ainda com lágrimas por todo seu rosto, mas para surpreender, com um leve sorriso também.Há essa hora os pais de Gabriela já estavam totalmente desesperados e preocupados. Gabriela não dava notícias há horas, tinha desaparecido. Seus pais ligavam para todos os conhecidos perguntando por Gabriela, e nada. Então sem mais idéias de onde Gabriela poderia estar, seus pais se lembram de Marcos no hospital. Pegam logo o carro e saem apressados até o hospital, rezando para que sua filha estivesse lá. Chegando ao hospital, já tarde da noite, aflitos, correram até o balcão e perguntaram à recepcionista se ela tinha visto Gabriela, se ela tinha ido visitar Marcos. E então, a recepcionista com uma expressão de surpresa se lembra que Gabriela tinha ido visitar Marcos, mas não se lembrava de tê-la visto ir embora. Os pais de Gabriela acompanharam a recepcionista até o quarto de Marcos. Quando entraram no quarto viram Gabriela sentada na poltrona, ainda segurando a mão de Marcos. Gabriela tinha passado o dia inteiro no hospital, sem ninguém perceber. Tinha dormido o dia todo, mas segurando a mão de Marcos todo o tempo.Os pais de Gabriela correram até sua filha gritando seu nome. Sacudiram Gabriela, chamando-a, mas Gabriela não acordava, não fazia nenhum movimento. Os pais de Gabriela começaram há ficar assustados. A recepcionista chegou perto de Gabriela e levou sua mão até seu pescoço para checar seu pulso. Foi aí que veio a surpresa. A recepcionista arregalou os olhos e chamou ás pressas os enfermeiros. Os pais de Gabriela se entreolhavam confusos, e sua mãe perguntava sem parar à enfermeira o que estava acontecendo, enquanto os enfermeiros levavam sua filha, acompanhados de um médico. Então foi aí que a recepcionista se virou para eles, e disse que Gabriela estava sem pulso. Nesse momento Gabriela estava em uma sala, deitada, cercada de médicos que tentavam de tudo para obter algum sinal de vida dela, mas nada de Gabriela. Passaram-se dez minutos, e os médicos já estavam perdendo a esperança. Mais cinco minutos, e eles deram Gabriela como morta.Gabriela tinha passado o dia todo no hospital, apenas dormindo e segurando a mão de Marcos, e em algum momento desses, ela simplesmente morreu. Os médicos estavam intrigados, não sabiam nenhuma possível causa de sua morte, ela apenas morreu, sem nenhuma explicação. Gabriela tinha morrido dormindo. Os médicos saem da sala e alguns deles vão falar com os pais de Gabriela. Eles então explicam que Gabriela tinha morrido, sem nenhuma causa. Os pais de Gabriela ficaram perplexos com a notícia, só conseguiam chorar. Era muito difícil para eles acreditar que tinham perdido sua única filha. Nisso uma equipe de médicos passa correndo pelo corredor do hospital em direção ao quarto de Marcos. Era quase impossível de acreditar, mas Marcos realmente tinha acordado, ainda sem forças até para ficar com os olhos abertos por muito tempo, mas ele tinha acordado, ele não corria mais risco de vida. Marcos estava bem agora, ao contrário de sua amada.Os pais de Marcos recebem a notícia por telefone, e então ficam totalmente felizes e aliviados de saber que o seu filho estava finalmente bem de novo. Mas os médicos disseram para eles esperarem um tempo antes de irem visitá-lo por que Marcos ainda não estava preparado para receber visitas tão cedo. Passaram-se alguns dias e Marcos se encontrava em um estado melhor para receber visitas e seus pais foram vê-lo. Seu filho estava bem novamente, e seus pais só conseguiam pensar em como iriam contar à ele que Gabriela tinha morrido, eles sabiam que ele não iria suportar isso. Passam-se mais alguns dias e completa-se uma semana que Marcos tinha acordado. Ele então recebe alta do Hospital e volta pra casa. E no mesmo dia, sem se passar muito tempo, Marcos pergunta sobre Gabriela para seus pais. Seus pais se olham, sem dizer nada. E a mãe de Marcos coloca a mão sobre o ombro de seu marido, ele então chama Marcos para conversar. Marcos o acompanha até a varanda de sua casa e ele começa à dizer: “Filho, eu sei que você ama muito a Gabriela e também sei como ela é importante pra você. Eu não sei como te dizer isso, mas… filho, a Gabriela… morreu”.Naquele momento Marcos ficou totalmente paralisado, surpreso e atordoado. Ele não conseguia acreditar no que tinha acabado de ouvir, ele não queria acreditar. Marcos então, caí de joelhos e lágrimas escorrem por seu rosto, ele só conseguia pensar em uma coisa: ‘Como ele iria poder viver sem o amor da sua vida, como ele iria continuar sem a sua Gabriela, sem o seu grande amor …?’ Marcos sabia que mesmo tendo apenas dois meses de namoro com Gabriela, ele sabia que era ela a mulher de sua vida, e que sem ela ele não poderia viver, ele nem ao menos teria um motivo pra viver. Por que o seu maior bem, a sua maior prioridade, o seu amor, a sua vida, não estava junto dele mais. O pai de Marcos diz que lamenta muito, e Marcos o pedi para ficar sozinho e seu pai sai como desejado. Marcos vai para seu quarto e tranca a porta. Lá ele começa a escrever um bilhete para seus pais, um bilhete de despedida. Marcos sabia que não iria suportar a dor e a angustia de ter que viver sem Gabriela, ele não sabia outra solução para ficar junto de seu amor.Então com o bilhete terminado Marcos sai de casa, sem deixar seus pais perceberem e deixa o bilhete sobre a cama deles. Sua mãe então o chama para o almoço, mas não ouvi nenhuma resposta de seu filho. Ela então vai procurá-lo no quarto dele, mas não o encontra.Ela o chama várias vezes, mas nenhuma resposta. Então ela vai a seu quarto e de seu marido, mas Marcos também não estava lá. E antes de sair, quase fechando a porta, ela repara uma coisa sobre a cama. Um bilhete, o bilhete de Marcos. Quando vê que era de Marcos, ela se assusta e chama logo seu marido para lerem juntos. Seu marido chega ao quarto, e ela mostra o bilhete a ele e eles então começam a ler juntos.‘’Meus queridos pais, quando estiverem lendo isso, eu provavelmente já estarei morto. Me desculpem, mas sem a Gabriela, acho que seria impossível eu continuar. Vocês devem estar achando estranho e estupidez minha, eu sei. Como eu posso fazer tudo isso, tendo apenas dois meses de namoro com ela? Eu também não sei exatamente, mas o amor é assim. Eu nunca tive tanta certeza de algo antes na minha vida, quanto eu tenho de que era ela a mulher da minha vida e era com ela que eu queria passar toda a minha vida. Era com ela que eu queria ter uma vida, ter uma vida que eu poderia chamar de nossa, e agora eu vou ter. Eu espero que vocês possam me entender e que me perdoem. Mas pensem, só! Como alguém poderia viver sem a sua vida? Realmente eu espero que me desculpem, mas eu preciso dela e prometi que ficaria com ela para sempre, e essa é uma promessa que eu tenho que cumprir. Eu amo vocês!”Os pais de Marcos não sabiam o que pensar, nem o que fazer, não conseguiam acreditar que o seu filho realmente tinha se suicidado. A mãe de Marcos começa a chorar e seu marido a abraça, também com os olhos cheio de lágrimas. Se passam algumas horas e os pais de Marcos recebem a notícia que um navio de pesca tinha encontrado o corpo de seu filho no mar. Marcos provavelmente tinha pulado de um píer e se afogado no mar. Ele realmente tinha se suicidado por sua amada. No outro dia foi o enterro de Marcos. Todos estavam lá, seus pais, seus amigos, seus professores, e os pais de Gabriela. Então o enterro terminou e os pais de Marcos e os de Gabriela deixaram várias flores sobre os túmulos de seus filhos, e então foram embora. Mas Marcos tinha um último desejo, que estava escrito no final do bilhete, e que seus pais realizaram com o maior prazer, é claro. Ele queria ser enterrado ao lado do túmulo de sua amada, e que em sua lápide estivesse escrito a seguinte frase: “Juntos para toda eternidade”.
(Autor Desconhecido)


FATO'

Critique o que a massa gosta pra caminhões de insultos serem derramados sobre você. Defenda coisas que essa mesma massa não gosta que a quantidade de terra em cima de você é muito maior. Pinte o cabelo de três cores e ganhe olhares de estranheza na rua. Escreva um conto com palavrões e cenas quentes e ganhe o apoio de quem não entendeu o que você quis dizer; e a refuta dos pseudo-conservadores. Brinque de alguma coisa idiota e legal e veja quem está de fora da brincadeira dizer que aquela é a brincadeira mais idiota que ela já viu. Quem está brincando já sabe disso. E você que está aí reclamando está doida para ser mais uma idiota brincando. Enfim, é só cutucar a ferida de alguém ou tentar externar algum sentimento de maneira diferente para, de graça, receber pedras no teto. Essa é a primeira coisa que muita gente faz quando lê algo com o qual não concorda, sem dar-se o mínimo trabalho de procurar mais sobre o assunto e formar a própria opinião. Mas não, o bichinho da ignorância que mora em todos nós fala sempre mais alto, dizendo: odeie isso, xingue isso, seja mais um no mundo que só reclama, só odeia. Não estou dizendo que é proibido odiar, nem dizendo que precisamos concordar com tudo. Só que existe uma linha muito tênue entre não concordar com uma opinião e sair dizendo pra Deus e o mundo que aquilo é a pior coisa que você já foi obrigado a conhecer em toda a sua vida! Cada um tem sua maneira de se expressar e ela é única, assim como todas as opiniões que cada um tem a respeito do mundo. Não somos robôs, nem irracionais. O que manda é o bom senso. Não gostou? Beleza, direito seu. Há muitas maneiras de dizer a mesma coisa.


Bruna Werneck (Da equipe do Depois dos Quinze)

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

A falta que me faz ~


... But today , any hug could make me breath again, as I wished when I waked up...

Rike B.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

AHH

Depois eu traduzo. <3

Freedom and Love

I’m here again... Lonely, stuck and completely in love. I still here, wondering someone to come and make me free. But I’m happy to be here, behind this tree, looking to the sky and seeing me flying. Her wings beating synchronously and her feathers being mixed by the wind.
            Oh! I haven’t said yet… She is the most beautiful fallen angel that I ever saw – and the most fearless one. She flies near to the taller walls, being in danger to be arrested here too. But she is very different than the angels that I sow in church’s draw. Her wings aren’t white, her hair isn’t curly blond, her cheeks aren’t naturally pink, her eyes aren’t blue and she doesn’t use a piece of fabric as clothe.
            She is shorter than me but she has the same height from some girls. Her wings are so big and make her seem to be a little dangerous-and strong. And her skin is pale white, her eyes are light gray and her wings are deep black. Her hair fall over her back on a shine black, with layers cut.
            Somehow-that I obviously don’t know- I could feel the wind that beats in her body. It’s strange, because I’m a spirit and I can’t fly, but I could feel the wind that beats on HER and the illusion that I was free. But I’m a prisoner and I just can be saved if an angel hug me and take me out of here.
            How I wonder the day that she will see me and fly inside, just to take me out, but… Can an angel touch a spirit? But even if she couldn’t, I will be pleased because she tried and it is what really matter. I won’t ask her to stay. It isn’t just because I love her that I have the right to ask her to give up her freedom.
            One day, when I went to the forest to see her, I notice that she stopped to fly and look down, and I knew that she realize what have under the place that she flies, a prison. And I make stand on end… just because she was looking at me with her light gray eyes.
            The next day, she was there again, looking at me. She makes a little smile, the pale pink lips turning into a curve. And her hair was dancing with the wind, flying behind her. She did exactly what I didn’t expect… She dive on the sky in my direction, perching near to the forest and walking to my direction.
            Somehow I knew that she wonder to save me. And I knew just that, nothing else. Because as near she got to me as bewitched I got with her half-celestial beauty. I just wake up to the world when she tried to put the hand on me, and it cross my body. She tried again, and again it happened. And I look to her eyes and I knew that she was as sad as possible.
            She wonders to save me and I wondered to be saved by her. But all I have being afraid, happened. We couldn’t touch each other, because she would cross my body and I would cross hers.
            As I have said before, I couldn’t ask her to stay. I haven’t the right to make she give up on something to stay with the other. So, something that I call “my heart” starts to get small and hurt. And I make a cry sound. She look at me, asking me to not cry. She turned back to me and takes some steps, like if it helps to make a decision. She turned me again and I knew that she would never fly, just to stay with me.
-              - You don’t have to do this You can’t give up on your freedom! I know you love to fly!
-              - But I don’t want to fly, if I haven’t a motive to come back to the place I was.

Beatriz Hirata


ACT 1, Skill Vila Formosa, Teacher Jorge

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Pics.






Ausência.

Ok, eu sei que eu to ausente, mas eu estou com 3 histórias presas na garganta e sem tempo pra escreve-las. :/
Então eu vou escrever sobre os meus dias.
Bom, eu estou indo de bus pra escola, porque... bom, porque sim. u.ú
E eu tenho que ler o Cortiço e ainda não li, porque sempre que abro aquela porcaria pra ler, eu durmo. --'
Alguns trabalhos pra fazer. E MUITA  dor de cabeça todos os dias...
Ontem eu acabei gastando os meus créditos falando com uma pessoa e valeu a pena, porque eu acho que eu alegrei o dia dela um pouco-ou não.
E grande parte das minhas indecisões já se foram! *-*
As pessoas tem testado um pouco a minha paciência na escola e a Martha ficou irritada porque eu acordo bem humorada todos os dias. ¬¬
Vou deixar umas fotos pra animar aqui o blog e vou nanar, já que a Yuyu já esta dormindo aqui no meu colo.
<3

sábado, 25 de setembro de 2010

Aula de Vida

Nunca imaginei que eu encontraria sobreviventes da bomba de Hiroshima, mas encontrei. Também nunca imaginei o quão grande seria a dor que eles carregam, mas agora eu sei. E também nunca pensei o quanto isso me feriria, mas me feriu. Não achava que isso mudaria a minha percepção da vida, mas mudou.
Tocou-me de uma forma particular e dolorosa que mexeu com a minha cabeça por uns bons dias. Por algum tempo, eu só conseguia pensar na destruição e na forma que o ser humano se julgava capaz-e muitas vezes no direito- de destruir a vida de outras pessoas. Depois de um tempo, eu percebi que estava pensando de uma forma meio incorreta. Como é que depois de tudo que eu ouvi dessas duas pessoas, eu ainda conseguia pensar que eram milhares de vidas? Como eu conseguia pensar em uma massa de            pessoas e não nelas individualmente.
E eu parei e pensei. Eu não podia pensar nas vítimas como uma massa de pessoas, porque elas não eram isso. Era um grupo de pessoas individuais, com sentimentos, com personalidades, com um futuro destruído. Pessoas que tiveram suas vidas alteradas, que perderam pessoas queridas, que lutam contra doenças e que foram carbonizadas.
As dores deles não são apenas físicas. Eles não lutam com apenas com doenças, com marcas no corpo. Eles lutam com os gritos que ficaram gravados na mente, com as cenas que jamais serão esquecidas e com as feridas que não se fecham no coração. Não me dói isso da mesma maneira que dói neles. Mas mesmo assim dói. Dói saber que alguém teve sangue frio para fazer algo que destruiu a vida da de tantas pessoas de uma só vez.
Ouvir da boca daqueles sobreviventes o que se passou no dia da explosão da bomba de Hiroshima, foi uma oportunidade única. Foi lindo e foi assustador. Foi lindo ver a energia positiva que aquelas pessoas tem apesar de tudo! O positivismo e a forma que me fizeram ver que, mesmo o maior problema, deve ser tratado com uma boa dose de bom humor, porque é só ele que faz com que a vida valha a pena. Me fez ver que o sentimento de vingança só gera mais vingança e violência e que devemos sempre buscar a paz.
Acabei aprendendo um monte de coisas sobre a vida. Uma delas é que a gente deve sempre viver com bom humor, porque ele é a coisa que nos estimula a continuar tentando consertar as coisas quando elas estão uma bagunça. Aprendi que não podemos aprender coisas sobre a vida somente enfiando as caras nos livros. Mas principalmente, eu aprendi que sempre devemos buscar pela paz. Porque é ela que vai nos salvar dos males do mundo.
Beatriz Hirata

Desenho. :3~

By: Daniel Lim

Frase.

Uma frase que eu achei perdida por aqui. (:


"E eu sigo em frente. Quando você olhar pra trás, arrependido de ter me perdido, mal saberá que eu estarei lá na frente, sem me arrepender de ter te esquecido."


Beatriz Hirata

domingo, 19 de setembro de 2010

Remar, re-amar, amar.



Já não sei dizer se ainda sei sentir. O meu coração já não me pertence, já não quer mais me obedecer!Parece agora estar tão cansado quanto eu. Até pensei que era mais por não saber que ainda sou capaz de acreditar. Me sinto tão só e dizem que a solidão até que me cai bem. Às vezes faço planos, às vezes quero ir para algum país distante e voltar a ser feliz! Já não sei dizer o que aconteceu se tudo que sonhei foi mesmo um sonho meu. Se meu desejo então já se realizou o que fazer depois, pra onde é que eu vou?
Eu vi você voltar pra mim; Olha, eu sei que o barco tá furado e sei que você também sabe, mas queria te dizer pra não parar de remar, porque te ver remando me dá vontade de não querer parar também.Tá me entendendo? Eu sei que sim. Eu entro nesse barco, é só me pedir. Nem precisa de jeito certo, só dizer e eu vou. Faz tempo que quero ingressar nessa viagem, mas pra isso preciso saber se você vai também. Porque sozinha, não vou. Não tem como remar sozinha, eu ficaria girando em torno de mim mesma. Mas olha, eu só entro nesse barco se você prometer remar também! Eu abandono tudo, história, passado, cicatrizes. Mudo o visual, deixo o cabelo crescer, começo a comer direito, vou todo dia pra academia. Mas você tem que prometer que vai remar também, com vontade! Eu começo a ler sobre política, futebol, ficção científica, o que for. Aprendo a pescar, se precisar. Mas você tem que remar também. Eu desisto fácil, você sabe. E talvez essa viagem não dure mais do que alguns minutos, mas eu entro nesse barco, é só me pedir. Perco o medo de dirigir só pra atravessar o mundo pra te ver todo dia. Mas você tem que me prometer que vai remar junto comigo. Mesmo se esse barco estiver furado eu vou, basta me pedir. Mas a gente tem que afundar junto e descobrir que é possível nadar junto. Eu te ensino a nadar, juro! Mas você tem que me prometer que vai tentar, que vai se esforçar, que vai remar enquanto for preciso, enquanto tiver forças!Você tem que me prometer que essa viagem não vai ser a toa, que vale a pena. Que por você vale a pena. Que por nós vale a pena.
Remar.
Re-amar.
Amar.


Caio Fernando Loureiro de Abreu

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Uma única palavra: "Adeus"

Lábios sorridentes
Um pedido convencente
Um beijo dado
Um belo par de aliança trocado

Era um sonho realizado
Ou apenas mais um amado?
Era o paraíso
Ou só mais um sorriso?

Duvidas à parte
Olhos confiantes
Abraços não hesitantes
A felicidade à la carte

Erros frequentes
De pessoas carentes
Do carinho à dependência
Mas só depois bate a consciência

Verdades reveladas
Atitudes não aprovadas
Lágrimas caídas
Felicidade corrompida

A última olhada nos olhos
A última palavra, "Adeus"
Sem o último beijo
Sem um único abraço

Olhos fechados
Lábios entre-abertos
A boca anciando o último beijo
O corpo anciando o último abraço

E o coração em pedaços
A boca calada, muda
O corpo em forte colapso
E uma mente sem explicações

Então se entre olharam
Se aproximaram e sorriram
Viram que o pior aconteceu
Mas que a melhor decisão permaneceu

Beatriz Hirata

sábado, 11 de setembro de 2010

AH...

A musica de baixo só porque a letra é bonitinha. <3

Burned - Hilary Duff




What's wrong with me?
I get lonely in a crowd
Everyone is smiling
But I make myself left out
I got an imaginary shield around me
That nobody's ever really gotten through
I keep thinking tthey're gonna break me free
But they never do (no)
When somebody's knockin
When somebody wants me
When somebody's trying to love me completely
I get scared
Don't know how it works
Will somebody save me?
Or will I get burned?
Don't wanna get burned
There's a thickness in the air
Weighing heavy on my heart
Why can't I just fit in?
Why can't I do what everyone else does?
People come around like a storm
When you least expect them to
Me, I run for cover
When I should really face the truth
When somebody's knockin
When somebody wants me
When somebody's trying to love me completely
I get scared
Don't know how it works
Will somebody save me?
Or will I get burned? (Oh, oh, oh, ooh, oh, oh, oh, ooh)
What's wrong with me?
I get lonely in a crowd
Everyone is smiling
But I make myself left out
When somebody's knockin
When somebody wants me
When somebody's trying to love me completely
I get scared
Don't know how it works
Will somebody save me?
Or will I get burned?
When somebody's knockin
When somebody wants me
When somebody's trying to love me completely
I get scared
Don't know how it works
Will somebody save me?
Or will I get burned?
I get scared (I get scared)
Don't know how it works (Don't know how it works)
Will somebody save me? (Will somebody save me?)
Or will I get burned? (Or will I get burned?)
I get scared (I get scared)
Don't know how it works (Don't know how it works)
Will somebody save me? (Will somebody save me?)
Or will I get burned? (Or will I get burned?)
I get scared (I get scared)
Don't know how it works (Don't know how it works)
Will somebody save me? (Will somebody save me?)
Or will I get burned?

Get out!

 And please, leave me alone.


sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Moon.

  Acordei como vento batento levemente no meu rosto. Não havia visto que a porta da sacada havia ficado aberta e que as cortinas, que eram feitas de um tecido fino e brilhante como organza, estavam voando livremente. Não tinha percebido como a lua estava grande, bonita e brilhante e, de uma certa forma, fazia com que a noite parecesse menos sombria e mais bonita.
  Me enrolei no lençol e o deixei dormindo descoberto na cama. Estava dormindo tranquilamente, com certeza não acordaria tão cedo, muito menos tão fácil. O lençol era espesso o suficiente para eu não sentir frio por causa do vento gelado da noite, mas fino o suficiente para eu poder sentir o vento passando por volta do meu corpo.
   Me aproximei um pouco mais da sacada...  já podia sentir o vento batendo delicadamente contra os meus lábios, fechei os olhos e não percebi quando eu entreabri os meus lábios. O vento batia de uma maneira tão prazerosa. Conseguia sentir ele fazer gelar os meus lábios, a ponta do meu nariz. Podia sentir os meus cílios se balançando levemente como se estivessem dançando com o ar. Meus cabelos voaram... junto com isso veio a gostosa sensação de liberdade. A sensação de aquele era o meu momento.
  Juntando tudo isso com a Lua, me fez pensar que aquele era o meu momento, o meu lugar. Não havia outro lugar melhor para estar, muito menos uma posição melhor. Eu não conseguiria olhar a Lua dessa forma se eu estivesse deitada na cama ao lado dele. Não que ele me impedisse de ver a Lua, mas eu não me sentiria bem se ele estivesse ali comigo, do meu lado. A Lua é como o meu ponto de paz... Quando eu olho pra ela, é como se todos os meus problemas acabassem e o mundo parasse por apenas um segundo.
  Nesse um segundo é como se tudo o que eu queria ser em sonho fosse verdade. As vezes eu queria ser um passaro pra poder voar ou simplesmente uma pena para flutuar no vento por muito tempo. Queria ser menor, para ver a Lua como uma coisa mais grandiosa ainda. Mas ao mesmo tempo, que queria ser gigante pra conseguir segurar toda aquela beleza com as minhas mãos.
  - Isso é um sonho?
  Ouvia a voz bem fraca, como quando ele acaba de acordar. Quando olhei para trás, percebi que ele estava deitado me olhando. De repente se levantou e veio caminhando lentamente e preguiçosamente, como se o tempo passasse devagar. Me abraçou por trás e segurou o lençol junto. Me deu um beijo discreto na curva do pescoço.
  - Não é um sonho. Mas mesmo assim, boa noite.

Beatriz Hirata

Ouuun *-*

E daii que eu recebi esse texto de baixo e já li 01858974028304749802938 vezes? *-*

Do Henrique. *-*

Eu sei... Eu sei...
Sou meio problemático
Pode até adicionar pitadas de autismo
Anti-social e injusto
Bom... é meu jeito de ser.

Cabeça dura? É até pouco pra mim
Tenho N defeitos...
Mas calma ai!
Quando te conheci
Te disse que era perfeito?

Posso ser seco e racional
Mais também tenho o meu lado humano.
Sensível e imprevisível
E afinal, nenhum ser humano é igual.
Não foi você que disse que ser diferente é essencial?

Posso não ser tão hábil em aprender
Mas quando entendo é pra valer
Aprendi contigo que cada amizade é única
E que as pessoas realmente são insubstituíveis
Assim como tu és para mim
E creio que eu também seja assim para ti.

Rike Barioni ~
Seu amigo/best/FF/esposa/mulher/chatice/etc...  ♥

PS:  Lembre, precisou estou aqui!

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Pro Henrique.

Um livro para aquele que me mostrou que para se escrever não é preciso lugar, nem papel e caneta (ou qualquer coisa que escreva); que me mostrou o que é amor e amizade de verdade; que me mostrou que pode ser meu ff; que me mostrou que pode aprender aquilo que eu ensino; que me ouve e (tenta) me entender; que me faz chorar quando eu quero dizer adeus; o que me diverte sempre; que é minha mulher; aquele que eu amo <3
OBG por tudo !
Beatriz Hirata

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

O Tempo Não Para ♫



O Tempo... Ah como ele é precioso não é mesmo?
O Tempo consegue ser ao mesmo tempo, o pior e o melhor dos remédios dos apaixonados...
Só o tempo para curar as feridas abertas pelo amor, ou simplesmente te juntar de volta com seu amor que agora está distante...
Ah o tempo... Tão importante, tão cruel ...

O Tempo livre para pensar é a maior das torturas para os apaixonados...
Aos que já estão juntos, o tempo livre os fazem pensar nas coisas difíceis que estão por vir ; os fazem pensar se tudo isso realmente vale a pena...
Aos que o amor esta longe, quase impossivel, o tempo livre se torna a maior das angustias.

O tempo livre para os que sofrem com o amor, traz o semtimento de estar parado no tempo ; como se nada mais importasse para a pessoa que sente falta e tem tempo para pensar o quão bom seria estar perto da pessoa que lhe faz tão bem...


E tempo .. tão presente em nossas vidas. Já parou pra pensar que o tempo é quem decide tudo em sua vida ?
O quanto você vai viver ; o quanto vai demorar à reencontrar alguem ou simplesmente o quanto tempo algo vai importar para você.

... Ainda há muito tempo, não podemos nos cansar deste tempo concedido, ja que quem decide o que iremos ser e o que ira ocorrer, é apenas uma coisa ...
O Tempo....

Rike Barioni ~
a chatice da Bee <3

Teste

Pra ver se dá pra postar. A Chatice não tinha conseguido. '-'

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Forgive me - Evanescence


Link para quem não conseguir ver.
Ok, a minha chatice(sente o amor pela criança) me mandou isso e disse que ia me mandar na época que a gente estava sem se falar(durou uma semana ._.). Anyway... chatice <3

Eu estou tão cheia e tão vazia.

Estou tão cheia de sentimentos, mas admito que não tenho nenhuma palavra pra descreve-los. É como se eu estivesse com medo, mas sem a angustia que eu geralmente sinto. É como se eu estivesse feliz, mas sem a sensação de voar. É como se eu tivesse envergonhada, mas sem saber o porque. É como se eu estivesse apaixonada, mas sem saber por quem. É como se o mundo parasse, mas continuasse rodando. É como se eu caisse e ficasse no mesmo lugar. É como se eu estivesse no mesmo lugar e continuasse andando. É como andar sem rumo, mas saber que se quer chegar a algum lugar. É como o seu coração bater sem sangue pra bombear. É como sangrar sem parar, mas não sair sangue algum. É como sofrer por algo, sem ao menos saber o que. É como saber de mais sobre os outros e nada sobre si mesmo. É como se estar angustiado e ainda se sentir bem. É como se sentir livre e preso. É como querer falar e não ter palavras. É como sentir seu coração bater e pedir algo, mas não conseguir ouvir o que ele quer falar. É como chorar sem lágrimas. É como ser apenas mais um e se sentir importante. É como viver e não viver. É ser um morto-vivo.
Beatriz Hirata

Okay, okay, eu já entendii.

Minhas palavras foram dar umas LONGAS voltas esses dias. Sabe, eu tenho tanto pra escrever, mas tão poucas palavras pra definir tudo. Espero que as minhas palavras voltem, mas se vocês trombarem com elas por aii, diga pra elas que eu tenho precisado delas pra me libertar. <3

Books.

É, acho que eu ainda não falei, mas eu terminei de ler O Ladrão de Raios e O Mar de Monstros.
Eu li O Ladrão de Raios em duas semanas e O Mar de Monstros em dois dias. :X
Anyway, eu to aqui no pc pra eu não pegar o próximo livro e depois ficar sem o que ler.
O Rike escreveu um textinho LINDO' e se ele não postar, eu mesma posto e coloco os devidos créditos.
Vou indo, :*

sábado, 4 de setembro de 2010

HOPI HARI *-*

Man, apesar de eu não andar em nada lá, o passeio foi ÓTIMO!
Nas primeiras horas lá, eu tava SUPER entediada, até eu arrumar o que fazer. Acabei conversando o dia TODO com a Bá *-*
Depois eu não achava a Miki e tava quase pedindo informações pra achar crianças perdidas. Eu sei que ela vai me matar quando descobrir, mas... eu tava tentando encontrar ela, poxa. :/ Quando achei também, fui correndo abraçá-la!
E a abertura da Hora do Horror? LINDA' Queria poder ir de novo pra poder ver de novo! Eu achei que ia ficar com mol medo, mas no final eu fiquei chamando os monstros e saindo correndo quando meus amigos deixavam eles me assustarem D:
Valeu a pena ir, espero o mesmo divertimento quando for dia 29. ;D

terça-feira, 31 de agosto de 2010

-'

- Nunca existirá um jardim mais bonito que o do vizinho;
- Nunca existirá um abraço que nem o de mãe;
- Nunca existirá a cura para corações partidos;
- Nunca existirá um amanhã se não cuidarmos do hoje;
- Nunca existirá um sentimento mais forte que amor;
- Nunca existirá o dia que o lado malévolo ganhar;
- Nunca existirá cultura de mais pra uma só cabeça;
- Nunca existirá passos de mais para uma dança;
- Nunca existirá uma bailarina que não reclame da sapatilha de ponta;
- Nunca existirá um robô que substitua um amigo;
- Nunca existirá alguém que mude a sua opinião;
- Nunca existirá alguém que nunca tenha dado um sorriso;
- Nunca existirá alguém que nunca tenha amado;
- Nunca existirá o dia que as estrelas cairão do céu;
- Nunca existirá o pôr-do-sol sem sol;
- Nunca existirá uma música sem nota;
- Nunca existirá o rendimento total das coisas;
- Nunca existirá o carinho falso;
- Nunca existirá alguém que nunca foi amado;
- Nunca existirá a fórmula perfeita pra nada.
- Mas, principalmente, nunca existirá o jeito certo de se amar.
Beatriz Hirata

domingo, 29 de agosto de 2010

Terminei

De ler o Fallen. Agora preciso esperar Torment sair aqui no BR --'
Esquanto isso, eu vou lendo o resto dos livros. Anyway, vou indo. *:

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Do You Know? (The Ping Pong Song) - Enrique Iglesias



Do you know?
Do you know?
Do you know what it feels like loving someone that’s in a rush to throw you away?
Do you know what it feels like to be the last one to know the lock on the door has changed?
Do you know, do you know, do you know, do ya?
If birds flying south is a sign of changes
At least you can predict this every year
Love, you never know the minute it ends suddenly
I can’t get it to speak
Maybe if I knew all the things it took to save us
I could fix the pain that bleeds inside of me
Look in your eyes to see something about me
I’m standing on the edge and I don’t know what else to give.
Do you know what it feels like loving someone that’s in a rush to throw you away?
Do you know what it feels like to be the last one to know the lock on the door has changed?
Do you know, do you know, do you know, do ya?
How can I love you?
How can I love you?
How can I love you?
How can I love you?
If you just don’t talk to me, babe.
I flow through my act
There's a question: Is she needed?
And decide all the man I can ever be.
Looking at the last 3 years like I did
I could never see us ending like this.
(Do you know?)
Seeing your face no more on my pillow
Is a scene that’s never ever happened to me.
(Do you know?)
But after this episode I don’t see
You could never tell the next thing life could be
Do you know what it feels like loving someone that’s in a rush to throw you away?
Do you know what it feels like to be the last one to know the lock on the door has changed?
Do you know, do you know, do you know, do ya?
Do you know what it feels like loving someone that’s in a rush to throw you away?
Do you know what it feels like to be the last one to know the lock on the door has changed?
Do you know, do you know, do you know, do ya?
(Do you know?)
(Do you know?)
(Do you know?)
(Do you know?)
Do you know what it feels like loving someone that’s in a rush to throw you away?
Do you know what it feels like to be the last one to know the lock on the door has changed?
Do you know, do you know, do you know, do ya?
Do you know what it feels like loving someone that’s in a rush to throw you away?
(Do you know how it feels?)
Do you know what it feels like to be the last one to know the lock on the door has changed?
(Do you know how it feels?)
(Do you know? Do you know? Do you know? Do you?)
(Do you know? Do you know? Do you know? Do you?)


PS: Hoje eu to bem alegrinha, mas to se ideia para textos. :/