sábado, 25 de setembro de 2010

Aula de Vida

Nunca imaginei que eu encontraria sobreviventes da bomba de Hiroshima, mas encontrei. Também nunca imaginei o quão grande seria a dor que eles carregam, mas agora eu sei. E também nunca pensei o quanto isso me feriria, mas me feriu. Não achava que isso mudaria a minha percepção da vida, mas mudou.
Tocou-me de uma forma particular e dolorosa que mexeu com a minha cabeça por uns bons dias. Por algum tempo, eu só conseguia pensar na destruição e na forma que o ser humano se julgava capaz-e muitas vezes no direito- de destruir a vida de outras pessoas. Depois de um tempo, eu percebi que estava pensando de uma forma meio incorreta. Como é que depois de tudo que eu ouvi dessas duas pessoas, eu ainda conseguia pensar que eram milhares de vidas? Como eu conseguia pensar em uma massa de            pessoas e não nelas individualmente.
E eu parei e pensei. Eu não podia pensar nas vítimas como uma massa de pessoas, porque elas não eram isso. Era um grupo de pessoas individuais, com sentimentos, com personalidades, com um futuro destruído. Pessoas que tiveram suas vidas alteradas, que perderam pessoas queridas, que lutam contra doenças e que foram carbonizadas.
As dores deles não são apenas físicas. Eles não lutam com apenas com doenças, com marcas no corpo. Eles lutam com os gritos que ficaram gravados na mente, com as cenas que jamais serão esquecidas e com as feridas que não se fecham no coração. Não me dói isso da mesma maneira que dói neles. Mas mesmo assim dói. Dói saber que alguém teve sangue frio para fazer algo que destruiu a vida da de tantas pessoas de uma só vez.
Ouvir da boca daqueles sobreviventes o que se passou no dia da explosão da bomba de Hiroshima, foi uma oportunidade única. Foi lindo e foi assustador. Foi lindo ver a energia positiva que aquelas pessoas tem apesar de tudo! O positivismo e a forma que me fizeram ver que, mesmo o maior problema, deve ser tratado com uma boa dose de bom humor, porque é só ele que faz com que a vida valha a pena. Me fez ver que o sentimento de vingança só gera mais vingança e violência e que devemos sempre buscar a paz.
Acabei aprendendo um monte de coisas sobre a vida. Uma delas é que a gente deve sempre viver com bom humor, porque ele é a coisa que nos estimula a continuar tentando consertar as coisas quando elas estão uma bagunça. Aprendi que não podemos aprender coisas sobre a vida somente enfiando as caras nos livros. Mas principalmente, eu aprendi que sempre devemos buscar pela paz. Porque é ela que vai nos salvar dos males do mundo.
Beatriz Hirata

Um comentário:

  1. Eu às vezes me assusto com o que o ser humano é capaz de fazer, não entendo, fico revoltada. Mas então passa. Enfim, belo texto :D Tô seguindo vocês.

    ResponderExcluir